Segunda-feira, 8 de Outubro de 2007

A Primeira Vez

          Speed by Tuga

Já passava da meia-noite quando saíram do restaurante. Tinha sido um dia desgastante na empresa. O Dr. Crespo pediu a Marco para levar Rita a casa, dado o adiantado da hora não recomendar o regresso sozinha a Massamá.

Rita vivia sozinha. Tinha vindo da Guarda para estudar Marketing e trabalhava na mesma empresa de Marco, alfacinha de gema, que vivia também sozinho num apartamento dos pais remodelado, nas avenidas novas. Apesar de estar noivo de Joana, a relação andava turbulenta, tudo porque ela andava ciumenta e desconfiada por Marco passar tanto tempo na empresa ultimamente, embora o trabalho o exigisse.

Rita era bonita, muito bonita. Morena, cabelos castanhos abaixo dos ombros, olhos de amêndoa, não muito alta, corpo bem delineado e o que mais fascinava Marco, uma parecença brutal com Malu Mader.

Ao saírem do restaurante, Marco perguntou a Rita se queria dar um pequeno passeio ao Tejo. O rio fora desde sempre o refúgio de Marco, acalmava-o. E era frequente passar o rio de cacilheiro para contemplar as luzes de Lisboa da outra banda.

Apesar do adiantado da hora e de o dia seguinte ser de trabalho, ela acedeu sem hesitar.

Passaram a ponte e pararam junto ao Cristo-Rei. A vista era fenomenal! Rita nunca tinha admirado aquele espectáculo de luz e cor sobre a cidade adormecida. Estava deslumbrada! E nem reparou que Marco tinha desapertado o cinto de segurança e estava virado para ela. O seu coração estava acelerado, e num impulso pegou no rosto de Rita virou-o para si e beijou-a com uma ternura e uma intensidade tal que deixou Rita sem palavras, embora também ela tivesse vontade de beijar o colega que não lhe era indiferente! Beijaram-se abraçados durante largos minutos, que pareciam eternos, que eles queriam que fossem eternos! Marco deixou os lábios húmidos de Rita e começou a beijar a sua face direita, com beijos suaves e lentos, mordiscou a orelha de Rita e passou a língua húmida no lóbulo. Rita sentiu um arrepio a subir-lhe pelas costas e soltou um pequeno gemido de prazer! As quatro mãos exploravam os dois troncos vestidos, mas cheios de calor. Marco baixou ligeiramente a cabeça de Rita, levantou-lhe o cabelo e beijou a parte de trás do pescoço! Rita expirou de prazer, sentia-se nas nuvens! O seu coração galopava velozmente! Quase que saltava do peito, e sentia um calor imenso percorrer-lhe o corpo! Marco volta a levantá-la e torna a beijá-la intensamente! As suas mãos descem até a cintura de Rita e entram por dentro da túnica branca que ela vestia por cima de um top preto que lhe servia de sutiã! As suas mãos percorriam agora a pele suave de Rita que de vez em quando arrepiava com o toque ao de leve de Marco! Naquele momento já nada à volta existia, nem sequer as luzes da cidade! Estavam os dois completamente alheados do mundo! Só existiam para eles! Com todo o entusiasmo da situação, Marco levanta o top de Rita e toca os seios não muito grandes, mas firmes de Rita, que num “Ai” audível, abraça Marco com uma força descomunal, e lhe diz:

- Marco! Vamos sair daqui! Não quero que a minha primeira vez seja num carro!

Marco ficou surpreso! Mas ao mesmo tempo feliz! Sentiu que ali ao lado poderia estar a mulher da vida dele, disponível para amar pela primeira vez.

Chegaram a casa de Marco já passava largamente da 1.30 da manhã, mas aquela madrugada iria ser toda deles.

O quarto de Marco era moderno, com mobília em cerejeira e wengé, a cama estava feita com lençóis brancos e as almofadas em castanho escuro com caracteres chineses, assim como o edredão que a cobria, o que dava ao quarto um ambiente asiático. Numa das paredes estava perfeitamente enquadrada uma porta em wengé que fazia a ligação à casa de banho revestida a mosaico azul escuro e com louça e torneiras de design moderno. Havia dois quadros de motivos eróticos nas paredes, iluminados individualmente por pequenos projectores. Marco reduziu a luminosidade do quarto ao mínimo num tom alaranjado, o que criava o ambiente perfeito para aquele momento.

Rita sentou-se na beira da cama, Marco sentou-se a seu lado, olharam um para o outro por breves momentos, a contemplarem-se mutuamente. Havia sorrisos nos seus lábios e um nervoso miudinho varria-lhes o corpo.

Marco beijou Rita e deitou-a sob a cama, abraçando-a, e num movimento brusco chegou-a para o meio da cama. De seguida, puxou-a pelos braços e retirou-lhe a túnica branca que já estava perfumada com o cheiro de Marco. Aquele cheiro que iria perdurar para sempre na memória de Rita, por ser único, por ser do Homem que a estava a fazer feliz!

Sem perder tempo, Marco tira-lhe também o top e contempla o tronco nu de Rita, passando as mãos pela pele arrepiada, e beijando-lhe o pescoço desaperta-lhe as calças de ganga brancas que ele próprio puxa devagarinho, ao mesmo tempo que os seus lábios percorrem as pernas daquela mulher maravilhosa que estava deitada á sua frente, ansiosa por se entregar a ele!

Rita levanta-se e deita-se sobre Marco, beijando-o apaixonadamente! Agora é ela que desaperta a camisa branca de Marco deixando o seu peito nu e que ela beija sem hesitar chegando rapidamente à braguilha que ela abre ainda mais rápido, tirando de seguida as calças de Marco. Estão agora os dois apenas com a roupa interior e é Rita quem retira os boxers cinzentos, e sem hesitações começa a beijar o corpo nu de Marco, detendo-se no seu pénis, o qual introduz na sua boca acariciando-o em movimentos curtos e suaves! Marco delira com a atitude desinibida de Rita e deixando-se levar pelo momento, fá-la parar segurando-lhe a cabeça com as duas mãos, e puxando-a para si deita-a novamente, indo agora ele em busca da sua vagina, a qual descobre por baixo das cuecas pretas rendadas que Rita trazia. Começando por beijar-lhe a parte interior das coxas e as virilhas, logo chegou ao clítoris, no qual fez rodopiar a sua língua molhada tanto pela própria saliva, como pela lubrificação vaginal de Rita! Não tardou muito que Rita intensificasse os seus gemidos e Marco também cheio de desejo sobe até aos lábios de Rita, beijando-os apaixonadamente e penetrando-a suave e lentamente! Sentindo-se penetrar, Rita segurou fortemente os braços de Marco e sussurrou-lhe:

-Sou tua, Marco! Toda tua!

Os seus corpos suados adormeceram agarrados, quase colados! Felizes! E sem preocupações!

Tinham vivido o amor! O verdadeiro amor! E naquele momento mais nada existia no mundo, excepto eles!


Guest:  Mnike

 


Speed by KI às 00:01
Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.


.Racers

.Speeds

. é!

. Upsss(II)

. (RE)ENCONTRO

. Toque de Midas

. Uma noite. Um olhar.

. Revenge

. SONATA AO LUAR

. Assunto encerrado !

. Tortura

. Sal na boca...

.Slow Motion

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.Long Roads

.Janeiro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Breaks

 

.Fingers & Fire

 

 

 

… do frio

Frio?

frio tem remédio.....

any idea?

lots

such as....

such as....

pois... não estou a ver....

undressing slowly ...by the fireplace

no lights, only candles

mmmmm

sounds tempting

does it?

mmmmmmm

so far

music?

you're choice....

does it matter ?

it does, if I'm supposed to undress for you

nesse caso.....

a do video .. de hoje

(ando a fugir dessa música há semanas)

mas ok

já começou ?

 

Vai começar agora…

senta, sentas?

assim no braço do sofá....

enquanto chego à lareira

e solto o cabelo, para começar....

e sorrio e fico à espera

a musica é tua,

podes mandar

   mmmmmmmm

 

mandar ou...

levantar ?

 

decide tu....

 

e passo-te os dedos ...

por onde sei inventar.....

e sinto-te a pele ... a querer respirar

e vindo do nada... caminham para o tudo

onde as coisas acabam

onde as coisas começam....

 

onde se abraçam olhares

e se quebram promessas

 

e num frio de repente sinto escorregar

e entram momentos

que não vimos chegar....

e nos dedos perdidos.....

na vontade de voltar

 

dançam corpos em sombras incandescentes

em gestos lentos, em voz de arfar,

em cores esculpidas,

entre mãos perdidas,

em mares de quereres

e vontades contidas

 

e de repente .... tocou o telefone

e saímos a correr!

a casa não era nossa

don't!

e os da agência estavam sempre à espreita

lol

srry

é este meu lado do nonsense

que me assalta sem aviso

onde iamos?

o que estávamos a fazer?

 

 

onde?

queres saber?

íamos onde te puxo devagar

e desço pelo teu peito em beijos de molhar

em dentadas de beber e saborear

em mãos que te enlaçam, lábios que te procuram

e não se deixam provar

mmmmmmmm

em corpos que se encostam,

se procuram e se enroscam,

como gatos a sonhar

em sentir que despertas,

que a roupa te aperta....

que não queres esperar

em afastar-me sorrindo,

mandar-te um beijo e indo

para casa descansar!

 

boa?

...Hummmmmm....
Nova página 1

Humm… Quando de lábios te exploro e te mordo devagar, digo que te adoro, que te quero, que não posso esperar, quando a música nos toma, se faz nossa dona e nos obriga a dançar, quando somos só um, e a terra a girar, quando escrevo o que sinto e te deixas amar...

Nova página 1

 

Quanto me entendo contigo e te sinto como abrigo, e me revejo nos teus beijos e juntos criamos desejos...Quando  dançamos os dois sem amanhã nem depois, encontro-me no teu olhar, sentimos o ritmo que nos faz dançar... Quando as palavras se calam e só os sentidos falam...