Quinta-feira, 3 de Janeiro de 2008

Upsss(II)

Este Speed começa aqui

 

Speed by: Gata

...

 

Perde equilíbrio por um momento, que ela aproveita, para escapar.

 

Um dedo no peito, encosta-o em passo lento, até o vidro gelado embaciar. Palmas abertas, encostadas à janela, como se ficar de pé dependesse delas, e começa, enquanto sorri, a beijar devagar, o pescoço….a mordiscar com ar de gozo, a saborear. Percorre os ombros com as unhas, de mãos frias mas seguras, com força que chegue para marcar.

 

Depois sem perder tempo, acompanha com a língua quente, cada risco a vermelhar. E desenha no corpo dele, em cada centímetro de pele, um novo mapa de amar. Riscado a unhas e a tormento, marcado a fogo lento e devagar….

 

Dobra os joelhos, e ocupa um lugar, entre pés firmes na carpete e pernas a afastar. E procura sem pressas, um sinal de desejo, que sorve devagar, músculo em boca quente, a crescer sem parar.

 

Mãos sobre mãos, musica a ditar, sabe encontrar o ritmo para o fazer balançar, mas solta, de repente, sem sequer avisar, afasta-se e ficam presos pelo olhar…

 

Ela volta a subir, e sem nunca o tocar, vai espalhando beijos devagar, do pescoço à cintura, cobrir o peito e recomeçar….de novo o sorriso, de novo fugir, de novo agarrar…com os dentes a pele e deixar a língua deslizar, desde o pescoço ao umbigo, sempre a saborear, a marcar rastos compridos numa pele a fervilhar…

 

Ouvem-se chamas que flamejam, ouvem-se troncos a quebrar, ouve-se um respirar rouco e um corpo a delirar…carícias inventadas na hora de arrepiar com mãos de gelo pele de fogo e de as deixar ficar…marcando cada toque de novo, em unhas a enterrar…

 

Outra vez se separa e encosta, para o sentir vibrar, enquanto o abraça e o beija, se afasta e o volta a torturar….o vidro embaciado nas costas, as mãos a transpirar. Ele a seu pedido fecha os olhos, mas não consegue evitar…espreita no momento exacto em que o prende na boca, e suga devagar…raspam unhas no vidro, as costas voltam a arquear, o som deixa de ser rouco, passa a voz de suplicar….

 

- Pára… por favor. Quero sentir-te a ti…

 

Ela abranda mas recomeça, com carinho, sem pressa, mas solta-o e recomeça, a beijá-lo devagar. As mãos enredadas no seu cabelo, o corpo a encaixar, vai percorrendo sem medo, este corpo de amar, desfiando segredos de querer e encontrar…

 

- Não fales. Fecha os olhos e sente…

 

E nesta luta diferente, de perder e ganhar, ele volta a fecha os olhos, ela volta a prendê-lo devagar, a fazê-lo encostar ao contrario, e fica com as costas para brincar….desce pelo caminho que abriu uma gota de brilho a deslizar, aproveita cada grão de sal, nesta praia de paixão, neste corpo em ritmo de mar, e pede-lhe sem palavras que se torne a virar… e com um gesto pequeno, quase sem perceber, abre espaço para o receber…

 

A lareira já não aquece, parece hesitar entre apagar labaredas ou continuar a vibrar, soltam-se vontades contidas em jogos de obrigar a esperar e os corpos, como se de uma vida inteira o soubessem, parecem rodopiar, encontram-se afastam e voltam a começar, uma dança sem fim, de querer-te assim de não poder esperar, e entre os vidros abertos de um jardim ao luar, nasce um grito único de vida a acordar…

 

A lareira aconchega ainda umas brasas escondidas, o vento parece soprar, a chuva cai em gotas grossas e ele murmura o seu nome a sonhar….Deixa as luzes acesas, e um beijo pintado num espelho….

 

- Devia ter trazido casaco, vou ficar encharcada…

 

Next Speed by: ?

 

  

 


Speed by Lazy Cat às 01:11
| Speeds
3 comentários:
De The Wolf a 3 de Janeiro de 2008 às 03:21
um vendaval lá fora por enfrentar...
porque não ficar...
por também ser um vendaval não ir...

gata que arranha, grande fin!
e a música, est parfait!


De ______ a 5 de Janeiro de 2008 às 18:33
[Não] Foi propriamente chocolate que me ficou a apetecer depois deste texto doce e quente... És terrivelmente sensual a escrever neste tema, e agora como faço com as lojas fechadas e esta minha temperatura gelada que teima em ficar? Se sair à rua a chuva vai-me apanhar e se não é chocolate que quero será melhor estar? E uma lareira a crepitar não era má ideia para um sábado findar, mas sem lareira e o vento a gelar procuro outra ideia para…saborear…

Miauuuuuu…


P.S. - Esta musica....


De Cati a 11 de Janeiro de 2008 às 13:31
Há tanto tempo já li, mas ainda sem as palavras certas para comentar...
Arrepiei-me dos pés à cabeça.
Senti o desejo, a paixão, a palpitar-me no peito, como as notas deste piano.

Belíssimo. Amei, de paixão, mesmo.

Crazy Cat Kiss...


Speeds

.Racers

.Speeds

. é!

. Upsss(II)

. (RE)ENCONTRO

. Toque de Midas

. Uma noite. Um olhar.

. Revenge

. SONATA AO LUAR

. Assunto encerrado !

. Tortura

. Sal na boca...

.Slow Motion

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.Long Roads

.Janeiro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Breaks

 

.Fingers & Fire

 

 

 

… do frio

Frio?

frio tem remédio.....

any idea?

lots

such as....

such as....

pois... não estou a ver....

undressing slowly ...by the fireplace

no lights, only candles

mmmmm

sounds tempting

does it?

mmmmmmm

so far

music?

you're choice....

does it matter ?

it does, if I'm supposed to undress for you

nesse caso.....

a do video .. de hoje

(ando a fugir dessa música há semanas)

mas ok

já começou ?

 

Vai começar agora…

senta, sentas?

assim no braço do sofá....

enquanto chego à lareira

e solto o cabelo, para começar....

e sorrio e fico à espera

a musica é tua,

podes mandar

   mmmmmmmm

 

mandar ou...

levantar ?

 

decide tu....

 

e passo-te os dedos ...

por onde sei inventar.....

e sinto-te a pele ... a querer respirar

e vindo do nada... caminham para o tudo

onde as coisas acabam

onde as coisas começam....

 

onde se abraçam olhares

e se quebram promessas

 

e num frio de repente sinto escorregar

e entram momentos

que não vimos chegar....

e nos dedos perdidos.....

na vontade de voltar

 

dançam corpos em sombras incandescentes

em gestos lentos, em voz de arfar,

em cores esculpidas,

entre mãos perdidas,

em mares de quereres

e vontades contidas

 

e de repente .... tocou o telefone

e saímos a correr!

a casa não era nossa

don't!

e os da agência estavam sempre à espreita

lol

srry

é este meu lado do nonsense

que me assalta sem aviso

onde iamos?

o que estávamos a fazer?

 

 

onde?

queres saber?

íamos onde te puxo devagar

e desço pelo teu peito em beijos de molhar

em dentadas de beber e saborear

em mãos que te enlaçam, lábios que te procuram

e não se deixam provar

mmmmmmmm

em corpos que se encostam,

se procuram e se enroscam,

como gatos a sonhar

em sentir que despertas,

que a roupa te aperta....

que não queres esperar

em afastar-me sorrindo,

mandar-te um beijo e indo

para casa descansar!

 

boa?

...Hummmmmm....
Nova página 1

Humm… Quando de lábios te exploro e te mordo devagar, digo que te adoro, que te quero, que não posso esperar, quando a música nos toma, se faz nossa dona e nos obriga a dançar, quando somos só um, e a terra a girar, quando escrevo o que sinto e te deixas amar...

Nova página 1

 

Quanto me entendo contigo e te sinto como abrigo, e me revejo nos teus beijos e juntos criamos desejos...Quando  dançamos os dois sem amanhã nem depois, encontro-me no teu olhar, sentimos o ritmo que nos faz dançar... Quando as palavras se calam e só os sentidos falam...