Terça-feira, 9 de Outubro de 2007

A carta que te escrevi...

 

Speed by Igara

 

Sento-me. Abro a janela e sinto o luar a invadir-me. Fecho os olhos. Tu tocas-me. Consigo sentir-te. Vejo o teu rosto à minha frente. Vejo-o como quem sente. Sinto-o como quem vê. Tento tocar-te, estás presente, ausente. Longe, perto. És esfera que rebola conforme o vento. Vais e voltas de uma forma descontrolada, desmedida. És estrela que brilha e se esconde por de trás da neblina. Hoje espero. Espero por ti, porque sei que sempre te tive em mim. Não, não é contigo que quero passar as noites enrolada nos lençóis, tocando-te no escuro. Mas é contigo que quero olhar as estrelas até a cegueira me invadir. Olhar o céu puro até ele se infiltrar nos nossos corpos. Estar contigo não é estar bem, é estar completa, preenchida. É ter o calor do Sol nas mãos, é ter o frio da Noite na pele. É ter o silêncio que não se cala porque se entende e escuta na Alma. É ter tudo, é não ter nada...

E quedo-me! Quedo-me sem saber se é a minha fé, a tua esperança ou a nossa vontade que nos fazem ficar. Por isso procuro-te neste espaço feito à nossa medida, onde cabe a dimensão de tudo o que queremos e sabemos nosso. Detenho o pensamento na dúvida de não saber o que nos esperava e apenas tarde entendemos a dimensão de tudo o que nos encontrou. Foi um rumo que não seguimos. Um rumo que nos apanhou e deixou em nós impressas pegadas, pegadas profundas, que o tempo não cobre...não amena. Vacilo, sou vencida pelo medo de te tornar a ver. Medo de não resistir ao desejo te tornar a ter. Mas agora nesta noite que me envolve, não busco ter-te meu, mas tão só sentir-te perto...

Por tudo isto e não obstante as marcas dos nossos passos, o caminho ou o destino, tenho apenas a certeza que sempre irás habitar em mim...

 

Guest: Amstist

 


Speed by KI às 00:01
| Speeds
8 comentários:
De KI a 15 de Outubro de 2007 às 19:19
Já há muitos anos q tu escreves palavras q eu poderia escrever se soubesse, n é uma questão de nada mais além de sentir tanto destas linhas aqui desenhadas.

Beijos mansos e abraços :)


De igara a 23 de Outubro de 2007 às 23:51
ki, escrevi sempre e só o que senti. Muitas vezes, a escrita foi para mim, um acto quase que de exorcismo, onde eu aprendi a canalizar quase tudo o que me tocava. Só hoje dei conta destes comentários. A minha ausência estendeu-se também pelo Universo dos comentários, mas abro a excepção, para agradecer as palavras e deixar-te um abracinho e um beijo com sabor a Mar :)


De Teresa_da_Praia a 18 de Outubro de 2007 às 04:22
Igarita
Que carta tão linda! Transmite suavemente, tal qual uma brisa leve e morna, um sentimento tão forte e quente que me enche o coração!
Obrigada por teres dado resposta ao meu pedido desta forma tão tua e que eu tanto gosto de usufruir.

Beijinhos para ti:)



De igara a 23 de Outubro de 2007 às 23:57
Ainda bem que gostaste Teresinha. A carta estava escrita, dificil foi a decisão de a partilhar...

Beijinhos para ti também...e abraços com sabor a maresia! :)


De mnike30 a 19 de Outubro de 2007 às 00:02
O verdadeiro amor (embora para mim não exista amor falso - o amor é ou não é!) é aquele que persiste e aumenta ainda que a ausência seja a presença mais visivel.

A sensação de nos estarem a abraçar ainda que não vejamos ninguém é... transcendente... dá-nos a certeza que o toque e a visão são meros pormenores, ainda que pormenores cobertinhos de saudade.

O amor é isso mesmo, um sentimento transcendente, um iman que nos atrai a alguém e que ganha vida própria tirando-nos toda a força de lutar contra tal magnetismo, o qual nós não compreendemos mas que passa a controlar todos os nossos pensamentos.

Ao ler esta tua carta concluo que não há estrela mais distante que ao sentir as tuas palavras não sinta vontade de espalhar o seu brilho ainda que por de trás da neblina

Beijinho


De igara a 24 de Outubro de 2007 às 00:02
Há pessoas que parecem ter a capacidade de nos ler a Alma... nem consigo comentar-te pela dimensão da forma como me sentiste, deixo-te apenas um agradecimento sentido, pintado em brilhos de estrelas.

Beijo marejado :)


De Lazy Cat a 19 de Outubro de 2007 às 11:06
sempre em mim....certeza da alma.
quanta capacidade de amar. De dar.
Não esperar retorno....


De igara a 24 de Outubro de 2007 às 00:10
As dádivas e os retornos andam de mãos dadas com as possibilidades. Nem sempre se pede retorno, nem sempre se espera retorno, porque o retorno chega exactamente na forma como se sente... e esse é o maior e mais decisivo de todas as formas de Sentir. O Amor... é ter tudo e não ter nada...e é assim que me faz sentido!
Um beijo Gata :)))


Speeds

.Racers

.Speeds

. é!

. Upsss(II)

. (RE)ENCONTRO

. Toque de Midas

. Uma noite. Um olhar.

. Revenge

. SONATA AO LUAR

. Assunto encerrado !

. Tortura

. Sal na boca...

.Slow Motion

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.Long Roads

.Janeiro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Breaks

 

.Fingers & Fire

 

 

 

… do frio

Frio?

frio tem remédio.....

any idea?

lots

such as....

such as....

pois... não estou a ver....

undressing slowly ...by the fireplace

no lights, only candles

mmmmm

sounds tempting

does it?

mmmmmmm

so far

music?

you're choice....

does it matter ?

it does, if I'm supposed to undress for you

nesse caso.....

a do video .. de hoje

(ando a fugir dessa música há semanas)

mas ok

já começou ?

 

Vai começar agora…

senta, sentas?

assim no braço do sofá....

enquanto chego à lareira

e solto o cabelo, para começar....

e sorrio e fico à espera

a musica é tua,

podes mandar

   mmmmmmmm

 

mandar ou...

levantar ?

 

decide tu....

 

e passo-te os dedos ...

por onde sei inventar.....

e sinto-te a pele ... a querer respirar

e vindo do nada... caminham para o tudo

onde as coisas acabam

onde as coisas começam....

 

onde se abraçam olhares

e se quebram promessas

 

e num frio de repente sinto escorregar

e entram momentos

que não vimos chegar....

e nos dedos perdidos.....

na vontade de voltar

 

dançam corpos em sombras incandescentes

em gestos lentos, em voz de arfar,

em cores esculpidas,

entre mãos perdidas,

em mares de quereres

e vontades contidas

 

e de repente .... tocou o telefone

e saímos a correr!

a casa não era nossa

don't!

e os da agência estavam sempre à espreita

lol

srry

é este meu lado do nonsense

que me assalta sem aviso

onde iamos?

o que estávamos a fazer?

 

 

onde?

queres saber?

íamos onde te puxo devagar

e desço pelo teu peito em beijos de molhar

em dentadas de beber e saborear

em mãos que te enlaçam, lábios que te procuram

e não se deixam provar

mmmmmmmm

em corpos que se encostam,

se procuram e se enroscam,

como gatos a sonhar

em sentir que despertas,

que a roupa te aperta....

que não queres esperar

em afastar-me sorrindo,

mandar-te um beijo e indo

para casa descansar!

 

boa?

...Hummmmmm....
Nova página 1

Humm… Quando de lábios te exploro e te mordo devagar, digo que te adoro, que te quero, que não posso esperar, quando a música nos toma, se faz nossa dona e nos obriga a dançar, quando somos só um, e a terra a girar, quando escrevo o que sinto e te deixas amar...

Nova página 1

 

Quanto me entendo contigo e te sinto como abrigo, e me revejo nos teus beijos e juntos criamos desejos...Quando  dançamos os dois sem amanhã nem depois, encontro-me no teu olhar, sentimos o ritmo que nos faz dançar... Quando as palavras se calam e só os sentidos falam...